DIREITOS SEXUAIS E DIREITOS REPRODUTIVOS: ENTENDA COMO FUNCIONAM

Compartilhe:

Com quem eu me relaciono? Será que um dia eu quero casar e ter filhos? No meu relacionamento eu vou me prevenir usando pílula, camisinha, DIU, adesivos ou injeções? Quando essas questões passarem pela nossa cabeça devemos lembrar que é NOSSO DIREITO DECIDIR! Assim como todas as questões que envolvem a sexualidade e reprodução, porém sabemos que essas escolhas sofrem influências políticas, religiosas, sociais e culturais.

Quando nos depararmos com essas situações, sejam elas vividas por nós mesmos ou os outros, precisamos garantir a liberdade de decidir de forma segura e sem preconceitos e para isso existe os Direitos Sexuais e os Direitos Reprodutivos.

A história desses direitos tem início em meados do século XIX e na primeira metade do século XX, junto à luta das mulheres pela igualdade de gênero, com ênfase nos direitos à educação e ao voto. A partir disso, várias conferências e eventos nacionais e internacionais que pautaram o tema dos direitos sexuais e reprodutivos em suas discussões, auxiliando na conquista de muitos direitos, foram promovidos.

Então, vamos entender: direitos sexuais e reprodutivos são normas que garantem o livre exercício da sexualidade e da reprodução. É importante entender que sexualidade e reprodução são coisas diferentes, da mesma forma que direitos sexuais e reprodutivos também são.

DIREITOS SEXUAIS: O livre exercício da sexualidade deve ser respeitado por todas as pessoas e instituições. Cada um tem o direito de decidir:

  • De viver a sexualidade sem medo, vergonha, culpa, falsas crenças e outros impedimentos à livre expressão dos desejos;
  • Direito de viver a sua sexualidade independente do estado civil, idade ou condição física;
  • A escolher o/a parceiro/a sexual sem discriminação, e com liberdade e autonomia para expressar sua orientação sexual se assim desejar;
  • De viver a sexualidade livre de violência, discriminação e coerção; e com o respeito pleno pela independência corporal do/a outro/a;
  • Praticar a sexualidade independentemente de penetração;
  • A insistir sobre a prática do sexo seguro para prevenir uma gravidez não planejada e as Ist’s (Infecções Sexualmente Transmissíveis)

 

E assim todas essas decisões devem ser respeitadas! Quando uma pessoa é discriminada pelas suas escolhas e direitos sexuais, esse direito está sendo VIOLADO. Quando alguém controla a prática sexual do outro em função de princípios morais ou religiosos, esse direito também está sendo VIOLADO. Tudo que controla as escolhas autônomas das pessoas é um ATO DE VIOLÊNCIA. Sendo assim, é dever do Estado garantir que os Direitos Sexuais sejam protegidos e respeitados. Por conta disso, as políticas públicas se fazem tão importantes, pois é por meio delas que o Estado pode ampliar ou limitar o exercício desses direitos.

DIREITOS REPRODUTIVOS: Diz respeito à autonomia reprodutiva e ao acesso às informações e métodos conceptivos e contraceptivos. Um exemplo simples: a decisão de ter ou não filhos (Projeto Parental) é um direito reprodutivo.

O desrespeito por esses direitos tem um grande impacto da vida das pessoas e mais ainda sobre os corpos das mulheres e meninas! Se você é mulher, você tem o DIREITO de escolher e usar métodos contraceptivos ou não, e você pode obtê-los de forma gratuita por meio do SUS. Você também tem direito à contracepção de emergência, mais conhecida como pílula do dia seguinte, e também ao aborto legal em 3 casos: se a gravidez decorrer de um estupro, quando há risco de vida para a mulher e caso seja gravidez de um feto anencéfalo. Resumidamente, os direitos reprodutivos incluem:

  • Que mulheres e homens decidam sobre se querem, ou não, ter filhos/as, em que momento de suas vidas e quantos/as filhos/as desejam ter;
  • De tomar decisões sobre a reprodução, livre de discriminação, coerção ou violência;
  • De homens e mulheres participarem com iguais responsabilidades na criação dos/as filhos/as;
  • A serviço de saúde pública de qualidade e acessível, durante todas as etapas da vida;
  • A doação e ao tratamento para a infertilidade;

 

Quero lembra-los que adolescentes e jovens também devem ter esses direitos garantidos e respeitados. E sabem por quê? Pois Direitos Sexuais e Reprodutivos são DIREITOS HUMANOS, ou seja, são garantidos para todas as pessoas sem qualquer distinção.

Pois isso ninguém tem o direito de discriminar e ferir direitos de existência e cidadania de qualquer grupo da nossa sociedade, devemos questionar e debater os preconceitos disfarçados de opiniões pessoais, pois infelizmente se pararmos para pensar, nem sempre o direito de escolher seu parceiro e a forma de exercício da sexualidade é respeitado, e isso é muito sério, pois como já dito, é uma VIOLAÇÃO DE DIREITOS.

Todos os dias devemos repensar, nos informar e exercer nossos direitos. Exerça sua sexualidade, é seu direito!

 

Para sugestões: [email protected]

Instagram: @isabelamanchini

Publicidade

Últimas colunas

Pedro Cardoso da Costa
Pedro Cardoso da Costa VOTO FACULTATIVO OU NULO
VOTO FACULTATIVO OU NULO
Marcos Moreno
Marcos Moreno NÃO VOU TE RASTREAR
NÃO VOU TE RASTREAR
Jótha Marthyns
Jótha Marthyns MORADIAS CRÔNICAS
MORADIAS CRÔNICAS

Últimas colunas

Pedro Cardoso da Costa
Pedro Cardoso da Costa VOTO FACULTATIVO OU NULO
VOTO FACULTATIVO OU NULO
Marcos Moreno
Marcos Moreno NÃO VOU TE RASTREAR
NÃO VOU TE RASTREAR
Jótha Marthyns
Jótha Marthyns MORADIAS CRÔNICAS
MORADIAS CRÔNICAS

Publicidade