Fim da produção da Ford no Brasil: entenda as transformações do setor automotivo

Nesta segunda-feira (11), a montadora anunciou que encerrará a produção de veículos em suas fábricas no Brasil em 2021. Ao todo, 5 mil empregos devem ser afetados.

Compartilhe:


Foto: Divulgação/Ford

 

O setor automotivo enfrenta uma série de transformações tecnológicas que tem obrigado as empresas tradicionais a reestruturarem os seus negócios. No Brasil, além dessas questões estratégicas, as empresas alegam problemas locais, como o chamado Custo Brasil, que encarece a produção de veículos e tira a competitividade das companhias.

Nesta segunda-feira (11), a Ford anunciou que encerrará a produção de veículos em suas fábricas no Brasil em 2021. Ao todo, 5 mil empregos devem ser afetados. Foi só mais um movimento de reestruturação do setor que ocorre ao longo dos últimos anos. Na semana passada, acionistas de Peugeot e Fiat aprovaram uma fusão para criar o quarto maior grupo automotivo do mundo.

 

Quais são as transformações do setor automotivo?

As empresas lidam com uma série de transformações tecnológicas que prometem deixar o setor menos poluente. Nesse contexto, companhias com origens em outras atividades começaram a adquirir competências e novas tecnologias para operar no ramo automotivo, o que pode desbancar boa parte das empresas tradicionais.

A Tesla, por exemplo, é uma empresa de carros elétricos e tem visto as suas ações se valorizarem. Na semana passada, Elon Musk, fundador da companhia, superou Jeff Bezos e se tornou a pessoa mais rica do mundo com a aposta dos investidores no sucesso da Tesla. Já o Google trabalha num projeto de carros autônomos.

Todas essas mudanças tecnológicas também implicam em mais custos para as montadoras.

 

Qual é o quadro do setor automotivo no Brasil?

O setor automotivo como um todo - automóveis, caminhões e ônibus - tem enfrentado sucessivas crises. A primeira delas ocorreu entre 2014 e 2016, quando o país enfrentou uma dura recessão. Naquele período, a produção do setor recuou para cerca de 2 milhões de veículos.

O setor conseguiu melhorar a produção até 2019, mas a crise causada pela pandemia de coronavírus provocou mais uma queda. No ano passado, o tombo foi de 31,6%.

"O efeito da pandemia foi bem severo para o setor automotivo. A gente viu uma recuperação depois dos meses de paralisação das atividades, principalmente do lado de caminhões", diz a analista da consultoria Tendências Isabela Tavares. "A mudança de hábito provocada pela pandemia, com o fortalecimento do comércio eletrônico, demandou mais veículos, como os caminhões."

A expectativa da Tendências é que apenas em 2023 a produção automotiva volte para o patamar que era observado em 2019.

Num outro sinal de crise, a Mercedes-Benz encerrou produção de automóveis no Brasil em dezembro. Nesta segunda-feira, a Volkswagen abriu um Programa de Demissão Voluntária (PDV) para a fábrica de Taubaté (SP).

 

Qual era a situação da Ford no mercado brasileiro?

No país desde 1919, a empresa mantinha fábricas em Camaçari (BA) e Taubaté (SP), para carros da Ford, e em Horizonte (CE), para jipes da marca Troller. A companhia ocupou a quinta colocação no ranking de vendas de automóveis no Brasil no ano passado, segundo dados da consultoria Tendências com base em números da Fenabrave.

Em 2020, a montadora foi responsável por 7,14% das vendas de automóveis, o que representou uma queda em relação às vendas de 2019 (a participação foi de 8,2%). Ao longo dos últimos anos, a companhia perdeu participação no mercado nacional. Em 2004, era de 11,5%.

No país, o mercado de vendas de automóveis tem sido abocanhado pelas montadoras asiáticas: a Hyundai já é a quarta colocada, com participação de 8,58%, e a Toyota tem uma fatia de 7,07%.

 

O que a Ford alega para fechar as fábricas no Brasil?

Em carta aos concessionários, a empresa alegou que a "Ford América do Sul acumulou perdas significativas" nos últimos anos e que a matriz tem "auxiliado nossas necessidades de caixa, o que não é mais sustentável."

A Ford culpou o aumento de custos industriais com a desvalorização das moedas da região e os impactos econômicos da pandemia de coronavírus. A montadora também diz que o "nosso negócio exige investimentos significativos em novas tecnologias para atender às demandas dos consumidores e itens regulatórios, que estão remodelando a indústria."

 

Como está o plano de reestruturação da companhia?

A montadora já iniciou um enxugamento de custos da sua produção com um amplo plano de reorganização ao redor do mundo. Foram fechadas fábricas na Austrália, após 91 anos no país, e na França, em Blanquefort. Na Europa e Estados Unidos, a montadora anunciou demissões em 2019.

No Brasil, o primeiro passo da reestruturação, em 2019, foi o encerramento da produção na fábrica de São Bernardo do Campo (SP), depois de 52 anos. Em outubro, foi concluída a venda da fábrica do ABC paulista para a Construtora São José e com a FRAM Capital.

 

O que diz o setor automotivo no país?

A associação das fabricantes, a Anfavea, disse que não vai se pronunciar sobre o encerramento das atividade, mas a entidade apontou o que a decisão da Ford "corrobora o que a entidade vem alertando há mais de um ano sobre a ociosidade local, global e a falta de medidas que reduzam o Custo Brasil."

 

O que pode ajudar a indústria?

O setor industrial pede a redução do chamado custo Brasil, que engloba uma elevada burocracia para se fazer negócios no país e com uma alta carga tributária.

Em nota, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) avaliou que a decisão da Ford serve de alerta para que o Congresso aprove uma reforma tributária, que "se apresenta como a prioritária para a redução do principal entrave à competitividade do setor industrial brasileiro."

Em 2019, o "Doing Business", levantamento do Banco Mundial, apontou que o Brasil ocupava a 124º colocação no ranking da entidade que mede a facilidade para fazer negócios.

 

O que diz o governo?

O Ministério da Economia lamentou "a decisão global e estratégica da Ford de encerrar a produção no Brasil" e informou que "trabalha intensamente na redução do Custo Brasil com iniciativas que já promoveram avanços importantes."

 

 

Fonte: G1

Compartilhe:

Comentários (0)

silhueta de um avatar

Escreva seu cometário...

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

Publicidade

Mais notícias sobre Nacional e Internacional

Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro

Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro

Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro

Inep: primeiro dia de Enem tem abstenção recorde de 51,5%

Inep: primeiro dia de Enem tem abstenção recorde de 51,5%

Brasil registra 8.488.809 de casos de coronavírus, 7.411.654 recuperados e 209.847 mil mortes

Brasil registra 8.488.809 de casos de coronavírus, 7.411.654 recuperados e 209.847 mil mortes

Começa nesta segunda o pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família

Começa nesta segunda o pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família

Mais notícias sobre Nacional e Internacional

Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro

Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro

Caixa paga abono salarial para nascidos em janeiro e fevereiro

Inep: primeiro dia de Enem tem abstenção recorde de 51,5%

Inep: primeiro dia de Enem tem abstenção recorde de 51,5%

Brasil registra 8.488.809 de casos de coronavírus, 7.411.654 recuperados e 209.847 mil mortes

Brasil registra 8.488.809 de casos de coronavírus, 7.411.654 recuperados e 209.847 mil mortes

Começa nesta segunda o pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família

Começa nesta segunda o pagamento do calendário 2021 do Bolsa Família

Publicidade